sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

AMULETOS, TALISMÃS E SIMPATIAS NA VISÃO ESPÍRITA


O Espiritismo não adota qualquer talismã, amuleto ou simpatia, porque levam as pessoas a buscar segurança em coisas materiais e exteriores, em vez de se firmar na fé espiritual, em Deus, em si mesma, na ação dos bons espíritos e nas leis divinas que regem harmoniosamente a vida universal.
Há pessoas que atribui poderes mágicos a objetos, palavras cabalísticas e rituais , com o propósito de atrair ou afastar forças espirituais, como: escapulários, pular 7 ondas, comer lentilhas, vestir roupa branca, etc.
Infelizmente, muitos Centros Espíritas, descuidando-se do estudo, enveredam por caminhos mágicos sustentados por velhas superstições.
No O Livro dos Médiuns, 2ª parte, cap. XXV, item 282-17ª diz: “(...) A VIRTUDE DOS TALISMÃS, DE QUALQUER NATUREZA QUE SEJAM, NÃO EXISTEM SENÃO NA IMAGINAÇÃO DAS PESSOAS CRÉDULAS.”
Se acreditarmos com convicção que defumações, banhos de defesa, cruzes e semelhantes são recursos mágicos que nos protegem, estaremos potencializando forças da alma (A FÉ) que talvez nos resguardem.
Raciocinemos o seguinte: “Se os talismãs e amuletos nos protegessem, nós não nos esforçaríamos para vigiar nossos atos a pensamentos, seríamos imprudentes; os carros que são benzidos não seriam roubados; se pular 7 ondas trouxesse sorte, quem não pode ir à praia estaria azarado?; a paz depende apenas de uma vestimenta branca ou precisa de nossa mudança de atitude?” Tenhamos bom senso, usemos a razão.
Queremos finalizar dizendo que, nós espíritas não somos contra quem usa e acredita nessa proteção. Apenas mostramos aqui o que e porque nós espíritas pensamos e acreditamos sobre o assunto.


(Rudymara)





segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

O SENTIDO DO NATAL




Na comemoração do nascimento de Jesus, que haja alegria, pois a lembrança do Cristo já é por si um estímulo espiritual a reflexões mais profundas; que se promovam festas na família (sem excessos alimentares, alcoólicos e financeiros), nas instituições ou nos ambientes de nossa convivência, mas que a alegria tenha um sentido mais elevado, não deixemos nos desvirtuar pelos desperdícios e pelos abusos que comprometem o corpo e o espírito. Procuremos “cristianizar” o Natal, ou seja, que as pessoas não se preocupem somente com a festa, com a comida, com os presentes, porque a festa não é do Papai Noel, é de Jesus. E  quem deveria receber presentes é o aniversariante. 
Então, perguntemos: “Que presente daremos à Jesus?”  
Se ficarmos em dúvida, procuremos no Evangelho um pedido Dele para nós. 

Feliz Natal!









quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

PREVISÃO MAIA




O calendário usado pela antiga civilização Maia prevê que algo de muito grave se passará em 21 de dezembro de 2012. Segundo previsão, o acontecimento será tão grave, que o mundo tal como o conhecemos desaparecerá. Isto não quer dizer que o mundo acabará, quer simplesmente dizer que um grande acontecimento transformará o mundo. 

Como explica Raul Teixeira no livro “Ante o Vigor do Espiritismo”, as previsões são os registros capitados pelos profetas (médiuns) que sofriam modificações pelas interpretações que correspondiam a sua cultura, sua maturidade intelectual e/ou experiências religiosas, o que tornava sempre vulnerável a veracidade de tais comunicações. Sem deixarmos de lembrar que os Espíritos Nobres nunca tem o objetivo de amedrontar, de impor, de nos modificar à força, mas, ao contrário, estão sempre dispostos a sugerir, a orientar, a propor sem nada exigir. 

Então, a única preocupação que devemos ter é em viver “bem” hoje. Porque amanhã prestaremos conta do que fizemos e principalmente do que deixamos de fazer, porquanto o conhecimento que a Doutrina nos oferece é uma convocação clara, objetiva, irrecusável para que participemos do impulso inicial que operará a grande transição terrestre. “Muito será exigido daquele a quem muito é dado” (Lucas, 12:47 e 48) – alertou-nos Jesus.

Rudymara





CHICO XAVIER FALOU SOBRE O FIM DO MUNDO



Uma curiosidade: No auge da Guerra Fria, quando havia grande possibilidade de um conflito atômico envolvendo os Estados Unidos e a União Soviética, uma pessoa apavorada perguntou a Chico Xavier: “VÃO ACABAR COM NOSSO MUNDO! O QUE SERÁ DE NÓS?” Chico, respondeu: “NÃO SE PREOCUPE, MEU FILHO. DEUS ARRANJARÁ OUTRO RINCÃO (lugar afastado) PRÁ GENTE MORAR.” Chico tinha razão. Não podemos esquecer que somos espíritos eternos, ou seja, não morreremos só mudaremos de casa, ou melhor, encarnaremos em outro planeta.

Outra curiosidade: Divaldo Franco contou em uma de suas palestras que os espíritos lhe disseram que, Jesus interferiu nesta mesma guerra enviando missionários a Terra, para mudar o rumo catastrófico que estava tomando. Como disse Jesus: “MEU PAI CONTINUA TRABALHANDO ATÉ AGORA, E EU TAMBÉM TRABALHO.” 
Como vemos, eles não ficam sentados em tronos de ouro vendo o “planeta pegar fogo”. Deus administra o Universo e Jesus colabora administrando nosso planeta. Não estamos desamparados.







sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

NATAL - Richard Simonetti



1 - Por que o Natal converteu-se nessa gastança e comilança que nada tem a ver com Jesus? É uma velha tendência. Alimentando interesses imediatistas, sob inspiração da superficialidade, o homem sempre transforma o sagrado em profano. 

2 -O que se perdeu no Natal? O ensejo de reflexão em torno da vinda de Jesus ao planeta, substituído por festanças muito próximas das celebrações pagãs. É bastante ilustrativo o fato de que os animais que homenagearam Jesus junto à manjedoura hoje enfeitam as mesas natalinas, sacrificados para satisfazer à glutoneira dos fiéis que não guardam nenhuma fidelidade ao espírito natalino. 

3 -Qual o verdadeiro significado do Natal? Jesus, mensageiro divino que poderia nascer filho de rei, em berço de ouro, preferiu as palhas da manjedoura para dizer ao Homem que o caminho para Deus passa necessariamente pelos valores da simplicidade e da humildade. 

4 -Não obstante os desvios humanos, há algo de positivo nos festejos natalinos? Sem dúvida. Apesar de todas as deturpações, a lembrança do nascimento de Jesus desperta fortes impulsos de fraternidade. Os pobres ficam menos pobres, os doentes menos esquecidos, os companheiros difíceis menos incompreendidos. O Céu parece mais próximo da Terra, ante as manifestações de generosidade inspiradas pela mística do Natal. 

5 -Como encarar a troca de presentes? Há uma comercialização lamentável que, sob indução da propaganda, transforma o ato de presentear numa obrigação. Há quem se ofenda se não recebe algo dos familiares. É bom presentear, nos dá muita alegria. É sempre um gesto de carinho, uma manifestação de bem-querer. Ideal seria que não houvesse tempo certo para isso, uma obrigação inventada pelo comércio. Tira muito da espontaneidade do gesto e a magia da dádiva. 

6 - Devemos comemorar o Natal no Centro Espírita? Nada impede que companheiros façam uso da palavra, comentando os textos evangélicos relativos ao nascimento de Jesus, que programemos festas para as crianças, que exaltemos o significado do Natal. Cuidado, porém, para não transformar tudo isso num ritual, numa cerimônia especial, atendendo a um formalismo incompatível com a Doutrina Espírita. 

7 - E em casa? Há lares onde, reunida a família à mesa para a ceia, alguém fala sobre o Natal e exora as bênçãos do Céu. Toda comemoração natalina em família deveria sempre envolver manifestações dessa ordem. É sempre bom lembrar que nos reunimos para celebrar o nascimento de Jesus. Importante, portanto, falar do aniversariante, evocando o significado de sua vinda ao Mundo. 

8 - As religiões tradicionais falam que Jesus voltará à Terra. Teremos um novo Natal? Creio que Jesus já veio, segundo sua promessa, representado pelo Espiritismo, o Consolador a que se referiu na última ceia. Esse Espírito de Verdade da expressão evangélica, que nos surpreende, emociona e edifica com a beleza e profundidade de seus conceitos. Quanto ao novo nascimento de Jesus, ocorrerá, sim, um dia... Praza aos Céus aconteça em breve, o mais breve possível. Será naquele dia glorioso em que nos dispusermos a vivenciar integralmente sua mensagem. Então o Mestre nascerá em nossos corações!







quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

ENSINAMENTOS DE MOISÉS E JESUS





Observemos o que Jesus quis dizer nesta frase:  "Vocês ouviram o que foi dito (por Moisés no passado): 'Ame o seu próximo e odeie o seu inimigo.' Mas eu (Jesus) lhes digo: "Amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem..." 


Jesus disse que seus ensinamentos são diferentes dos de Moisés.
Quem segue os ensinamentos do Antigo Testamento são os judeus, adeptos do Judaísmo.
Quem segue os ensinamentos do Novo Testamento são os cristãos, adeptos do Cristianismo.  








terça-feira, 27 de novembro de 2012

CRISTÃO DENTRO E FORA DA CASA RELIGIOSA





Há jovens e adultos cristãos com dois comportamentos: um dentro da casa religiosa e outro fora dela. Onde as religiões estão falhando? Infelizmente muitas pessoas ainda não estão entendendo a proposta de Jesus. Acham que participando do que a religião pede: "passe", "sopa", "mocidade espírita", batismo, missa, culto, etc, já cumpriram sua obrigação cristã. E fora da casa religiosa se permitem a todos os desregramentos achando que Deus não está vendo ou se está não se importa porque já fomos a casa religiosa e realizamos os cultos externos. Ora! Não nos enganemos.


Rudymara




domingo, 18 de novembro de 2012

A BÍBLIA CONDENA O ESPIRITISMO?


Muitos, que não conhecem a Doutrina Espírita, dizem que a Bíblia condena o Espiritismo. Mas, em verdade, a Bíblia não condena o Espiritismo. Porque, quando a Bíblia foi elaborada, reunidos os vários livros que compõem, não havia o Espiritismo, havia fenômenos mediúnicos. A Bíblia está cheia de comunicações com os "mortos" e de fenômenos mediúnicos para mostrar que ambos não foram inventados pelos espíritas.
A Bíblia é um conjunto de livros, e esse conjunto todo, Antigo e Novo Testamento, foi escrito ao longo de 1571 anos (quase 16 séculos), começou por Moisés em 1437 a.C., até João em 98 d.C.. 
Espiritismo é um vocábulo criado em 1857 por Allan Kardec, e que define uma nova ordem de idéias, afim de diferenciá-lo do que era conhecido por espiritualismo.
ESPIRITISMO é uma doutrina filosófica, científica e religiosa.
ESPIRITUALISMO é a crença em algo além da matéria.
Muitas crenças crêem na comunicação com os espíritos (espírito santo, caboclos, etc.), mas não são espíritas, porque não seguem os ensinamentos trazidos pelos espíritos através de médiuns e organizado por Allan Kardec.
Na verdade, o que a Bíblia proíbe é a evocação dos mortos, conforme se lê em Moisés. Esta proibição por si já é a prova que os espíritos poderiam se comunicar, pois como proibir algo que não existe? (Deuteronômio cap.18 - v 9 a14). E esta proibição aconteceu para inibir os abusos. Se hoje há abuso, imaginemos naquela época.











CIENTISTAS ESTUDAM CÉREBRO DE MÉDIUNS BRASILEIROS DURANTE TRANSE


Pesquisadores usaram tomografia computadorizada para estudar o que acontece com os fluxos de sangue nas diferentes regiões do cérebro na hora da tarefa psicográfica.

Os cérebros de médiuns brasileiros mostraram transtornos de funcionamento durante sessões nas quais, em transe, escreviam mensagens supostamente ditadas por "espíritos", segundo um artigo divulgado pela revista Public Library of Sciences.

Cena de filme sobre Chico Xavier, considerado um dos maiores médiuns do País - Divulgação
Divulgação
Cena de filme sobre Chico Xavier, considerado um dos maiores médiuns do País
A pesquisa foi feita por cientistas da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Thomas Jefferson, da Filadélfia, para determinar os fluxos de sangue em diferentes regiões do cérebro durante os transes.
Os pesquisadores estudaram o comportamento de dez médiuns que, segundo o artigo, tinham entre 15 e 47 anos de psicografia, realizando-a até 18 vezes por mês.
Todos eles, indicou o estudo, eram destros, gozavam de boa saúde mental, não usavam psicotrópicos e indicaram que eram capazes de alcançar seu estado de transe durante a tarefa psicográfica. Os pesquisadores usaram tomografia computadorizada por emissão de fótons únicos para a observação das áreas ativas e inativas durante a prática.
"Se sabe que as experiências espirituais afetam a atividade cerebral. Mas a resposta cerebral à mediunidade recebe pouca atenção científica e, a partir de agora, devem ser feitos novos estudos", sustentou Andrew Newberg, diretor de pesquisa do Myrna Brind Center of Integrative Medicine, que colaborou neste trabalho com o psicólogo clínico Júlio Peres, do Instituto de Psicologia da USP.
Os cientistas observaram que os médiuns mais experientes mostravam durante a psicografia níveis mais baixos de atividade no hipocampo esquerdo (sistema límbico), no giro temporal superior e no giro pré-central direito no lóbulo frontal.
As áreas do lóbulo frontal estão ligadas ao raciocínio, ao planejamento, à geração de linguagem, aos movimentos e à solução de problemas, pelo que os pesquisadores acreditam que durante a psicografia ocorre uma ausência de percepção de si mesmo e de consciência.
Por outro lado, os médiuns com menos experiência mostraram o oposto: níveis maiores de atividade nas mesmas áreas durante a psicografia, o que parece indicar um maior esforço para realizá-la.







sábado, 10 de novembro de 2012

PEDRO, E OS DEMAIS APÓSTOLOS ERAM REMUNERADOS? - PAULO TINHA ORDENADO? MATEUS, LUCAS, MARCOS E JOÃO QUANTO SERÁ QUE CUSTOU O TRABALHO QUE REALIZARAM?





Estamos em pleno século 21 e o homem parece  não ter mudado muito. Nunca ouvimos falar tanto de “mensalão” como nos nossos dias, como se esse mal fosse novidade. Desde que o mundo é mundo, com a presença do homem, ainda um espírito bastante inferior, os mensalões estão presentes. Nos meios políticos então, a coisa funciona como se fosse algo normal. No movimento religioso os pregadores tem ordenado para pregar Jesus! O homem até hoje não conseguiu desvencilhar-se do egoísmo. O Planeta  assiste a fatos dos  mais inferiores com a participação do ser  humano.O poder, representado pelo dinheiro, tem atrapalhado bastante  a evolução do próprio Orbe que acaba recebendo as vibrações inferiores dos seus habitantes,que egoisticamente  vê nos $$$  o seu “deus,” pois acham que tudo pode e se sentem poderosos de posse do vil metal.  Despreparado, para as coisas duradouras, uma vez que só procura interesses mesquinhos, até mesmo em movimentos religiosos, o homem fica perdido no mundo diante de situações criadas por ele mesmo.  Será que Pedro, Paulo de Tarso, André, e outros recebiam dinheiro de Jesus, para renunciar os seus empregos,fundar “igrejas” para viver a custa de suas pregações? Quem conhece  um pouquinho a vida de Paulo, sabe perfeitamente do sacrifício do apostolo dos gentios, sua luta como tecelão para sobreviver  passando a colocar em primeiro plano a implantação  da Boa Nova entre os homens? E os Evangelistas Mateus, Marcos, Lucas e João? Quanto será que cobraram pelo trabalho que realizaram para que os passos e ensinamentos de Jesus se perpetuassem? Será que Jesus tinha alguma igreja ?  Sim, tinha e tem até hoje, não a  igreja de pedra, mas a igreja que tem por altar o coração, a simplicidade, a sabedoria e o amor. Igreja que não exige dízimo para manter os pregadores! Hoje assistimos a construção de “igrejas”a cada minuto que passa. Nada contra, até porque o homem ainda ignorante das coisas espirituais, precisa de um lugarzinho para ouvir a “ palavra.” Só que lamentavelmente  tem que meter a mão no bolso para ouvir o sermão...Ninguém é obrigado a sair por aí pregando em nome de Jesus, mas, já que existem pessoas dispostas a pregar, que tenham cuidado de não misturar as coisas. Religião é religião, profissão é profissão... Chico Xavier, aí está  como um grande exemplo. O saudoso médium poderia ter morrido milionário, se não tivesse a formação espírita cristã, pois psicografou mais de 400 livros percorrendo todos os caminhos, inclusive o da ciência sem ser contestado por ninguém  Quanto recebeu pelo seu trabalho como instrumento dos espíritos? Nem um centavo, pois estava a serviço de Jesus. E o mestre Jesus? Quanto será que ele recebeu para pregar e exemplificar os ensinamentos que passava? Na qualidade de humilde carpinteiro, com certeza, precisaria aumentar os seus “vencimentos”... Todos nós sabemos muito bem o quanto custou para ele para trazer a mensagem de Deus  aos homens. Hoje  deparamos  pessoas interessadas em pregar, mas com tanto que caia no seu bolso, o vil metal, e agindo assim, como falar em nome de Jesus? Será que já não passou da hora das religiões reverem os seus comportamentos no que diz respeito ao atendimento aos necessitados deixando de lado o dinheiro, substituindo-o pelo amor?. Busquemos dois exemplos grandiosos que por si só justificam o nosso ponto de vista com respeito ao assunto. Lembremos Pedro, o pescador, quando certa vez disse: “Não tenho prata nem ouro, mas o que tenho, isso te dou” Aquele que na verdade está no firme propósito de servir Jesus, não pensa em remuneração, renuncia os prazeres do mundo e segue em frente conforme fez Pedro. Para servir o Mestre, não há necessidade de remuneração. Saulo de Tarso, antes de encontrar-se com Jesus na estrada de Damasco, era poderoso, um orador eloquente, brilhante, sincero, e tinha todas as regalias, como um dos poderosos. Defendia com unhas e dentes as orientações que recebia entre os demais doutores. Chegou a perseguir cristãos sem conhecê-los nos seus propósitos. Mas,  chegou o momento de enfrentar a verdade, face a face! Com a intenção de prender Ananias, um valoroso cristão, é surpreendido na estrada de Damasco, pela presença de Jesus! O Mestre, com certeza já conhecia os seus sentimentos, mas distante das Leis de Deus  ainda não conhecia a verdade.  Foi por isso que foi o escolhido como o vaso certo  para acordar os homens. O que fez Saulo?  O primeiro passo, foi sepultar  o Dr. da Lei, Saulo, para assumir uma nova identidade! Agora,  Paulo, o apóstolo dos gentios. Antes de iniciar a sua sublime missão, diz: Não sou eu quem vive mais é o Cristo quem vive em mim!  Quanto será que ele ganhou? Um ordenado alto para  trabalhar?  Uma fortuna para preparar o Evangelho? E suas cartas?  Quanto será que ele cobrou para entregá-las as igrejas?. Não se pode misturar dinheiro com a vontade de servir. Sejamos sinceros conosco mesmo. Será que estamos exagerando? Analisem bem o que vem acontecendo nos nossos dias. Infelizmente, o mensalão  anda solto por aí até mesmo nos movimentos religiosos, e o que é pior, com rótulo de Cristianismo. Estamos alarmados com os Zés Dirceus, com os Valérios e com tantos outros, como se o  comportamento dos homens dos nossos dias fosse um comportamento puro, desinteressado, sem egoísmo, primando pela honestidade. Infelizmente, não é bem assim, e, tudo por que? Simplesmente porque desconhecem a imortalidade da alma e que existe uma Lei muita sábia chamada causa e efeito, isto é: um dia o homem vai ter que enfrentar a sua própria consciência e pedirá a Deus uma nova oportunidade na terra para acertos inevitáveis.  Aquele que pretende servir Jesus, não pode pensar em dinheiro, para não acontecer como aquele que estando ao lado do Mestre, vacilou e acabou enforcado quando não suportou o remorso.


  
João Batista Bonani




sexta-feira, 9 de novembro de 2012

A U.S.E. PODERIA COPIAR KARDEC




Já tive a oportunidade de presidir a USE (União das Sociedades Espíritas) de Taubaté, e confesso que até hoje não consegui entender por que, a diretoria não pode  tomar qualquer atitude com respeito aos Centros Espíritas. É bem verdade que não se pode mesmo interferir na vida de um centro, afinal, existe uma diretoria com a responsabilidade de administrar a casa e os seus trabalhos. Acontece que, muitos centros até hoje não descobriram Kardec e, consequentemente, o Espiritismo é  praticado “ a moda da casa.” Será que não caberia a USE caridosamente visitar as casas filiadas a ela? Não para determinar, dar ordens e impor, nada disso, mas para orientar, explicar e se possível ajudar. Se não se pode fazer isso, qual a razão da filiação na USE? A USE existe por quê?  Somente para se reunir uma vez por mês e programar palestras? Muitas pessoas chegam de outras  religiões e se esquecem que estão num centro espírita! Ás vezes chega aos nossos ouvidos que um expositor foi convidado para realizar casamento espírita!!! Talvez, a minha colocação não seja  considerada, mas não importa, estou muito bem intencionado e como espírita, não posso ficar indiferente.  Quando lembrei  Kardec, convidando os diretores da USE a copiar o mestre de Lyon, não tive a menor intenção de querer ensinar ninguém e sim ajudar. Apesar de seus inúmeros afazeres, o Professor encontrava tempo para trabalhar por um mundo melhor e o caminho para que isso acontecesse era justamente implantar O Espiritismo nos seios das religiões para combater o materialismo. No período de férias, aproveitava para viajar a trabalho, não desperdiçando o tempo precioso, e encontrava momentos de lazer, até porque estava fazendo aquilo que gostava e amava. Fica aqui, a nossa sugestão aos queridos irmãos da USE e de todas as casas espíritas, pois o mundo nunca precisou tanto da doutrina espírita como nos dias de hoje e os centros espíritas devem estar preparados para os momentos difíceis que se avizinham, conhecendo de verdade Kardec e estudando o Espiritismo.


João Batista Bonani




segunda-feira, 5 de novembro de 2012

A NOVELA "SALVE JORGE" NA MIRA DA INTOLERÂNCIA RELIGIOSA


           
 
Tem sido veiculada nas redes sociais uma manifestação de setores evangélicos contra a novela Salve Jorge, pela suposta relação que existiria entre o conteúdo da novela exibida pela Rede Globo e a figura de São Jorge, que é venerado como o orixá Ogum pelos adeptos da Umbanda.
Há quem veja na manifestação uma disputa de bastidores por razões puramente econômicas. Esse é o  pensamento de dois parlamentares do Rio de Janeiro, o deputado Átila Nunes e o vereador eleito Átila Alexandre Nunes.
Pode ser que tenham razão. O fato concreto, porém, é que, ao declararem guerra à novela da Globo, os ditos setores evangélicos alegam que seu enredo seria uma adoração ao orixá Ogum, o mesmo São Jorge das tradições católicas. A manifestação pede, então, que os evangélicos não assistam à novela Salve Jorge, mas, sim, no seu lugar, à reprise da novela Rei Davi, que reestreou na mesma noite, quando a Globo alcançou 35 pontos no Ibope, enquanto a Record, que exibe Rei Davi, obteve modestos 6 pontos.
Em sua intolerância religiosa, os ditos setores evangélicos acusam São Jorge de ser um deus pagão travestido de santo, ao passo que Davi teria sido, de fato, um herói verdadeiro. Por causa disso, buscam convencer seus fiéis de que não é possível aceitar em suas casas algo que contrariaria diretamente sua fé.
São Jorge, que teria vivido entre os anos 275 e 303 da era cristã, foi, de acordo com a tradição, um soldado romano que integrou o exército do imperador Diocleciano e, anos depois, por suas ações em favor dos cristãos, considerado um mártir do Cristianismo. Por causa disso, é ele um dos santos mais venerados nas hostes do Catolicismo e em diversos cultos das religiões afro-brasileiras, onde é sincretizado na forma de Ogum. E é, ainda, o santo padroeiro de diversos países, além de patrono dos escoteiros, do clube de futebol Corinthians Paulista e da Cavalaria do Exército Brasileiro.
Tudo, pois, nos sugere que a guerra à novela é, no fundo, mais uma reação fundamentalista de fanáticos religiosos contra a Umbanda, que tem em Ogum um de seus ícones mais importantes, e também contra as tradições católicas, em flagrante desrespeito à diversidade religiosa, consagrada na Constituição brasileira.
Infelizmente, os fatos demonstram que certos setores das chamadas religiões evangélicas não perdem jamais a oportunidade de manifestar seu preconceito contra os que não pensam como eles, incluindo no rol de seus desafetos os umbandistas, os espíritas e os católicos, esquecidos de que é livre no Brasil o culto da religião que desejarmos.
Essa liberdade não é um favor do governo de plantão, mas um preceito constitucional, que eles invariavelmente desrespeitam, agindo exatamente de modo contrário ao que era praticado por Jesus, que jamais fez acepção de pessoas, fossem elas pobres ou ricas, damas  ou prostitutas, publicanos ou simples contribuintes.
                    





sexta-feira, 26 de outubro de 2012

DIVALDO FRANCO E SEU OBSESSOR



Divaldo Pereira Franco narrou em uma de suas palestras a história de um obsessor que o perseguiu anos a fio. Contou que tentou todas as formas de prece e de doutrinação para tentar ajudar aquele irmão sofredor, mas nada surtia o efeito desejado. Até que um dia, um dos membros da Mansão do Caminho (instituição modelo, criada e presidida por Divaldo Franco, que abriga crianças órfãs), foi chamá-lo porque uma criança recém-nascida fora encontrada na lata de lixo. Divaldo correu até o local e, no momento em que subia as escadas da instituição com a criança nos braços, o irmão obsessor se fez visível no alto da escada e perguntou a ele:
- Você ama essa criança feia e suja desse jeito?
Divaldo respondeu:
- Ainda não amo, mas pretendo aprender a amá-la.
Prosseguiu o irmão desencarnado:
- Então, a partiu de agora, eu vou deixar você em paz, porque essa criança é minha mãe.


Os Espíritos amigos tiveram que atingir as fibras mais íntimas do obsessor para que ele se comovesse e deixasse Divaldo em paz.




Observação de Rudymara: Esta história mostra que a desobsessão, muitas vezes, não é tão simples. Por isso, deve ser entendida, estudada, compreendida. Não há método mágico para resolver a desobsessão. Cada caso é um caso. Por isso, pedimos cautela e estudo.








quarta-feira, 24 de outubro de 2012

VIANNEY, O VIGÁRIO QUE CURAVA





No capítulo VIII do O Evangelho Segundo o Espiritismo, item 20  temos a comunicação de um espírito que quando encarnado foi um cura de Ars, ou seja, foi um vigário da cidade chamada Ars (interior da França) cujo nome era Vianney (foto acima). Ele realizava curas quando estava encarnado.
Esse capítulo nos mostra uma pessoa cega que procurou um (a) médium para evocar Vianney para que este a curasse.
Vianney atendeu ao chamado e disse: “Por que me chamaste? Para que eu imponha as mãos sobre esta pobre sofredora que está aqui, e a cure? Ah, que sofrimento, bom Deus! Perdeu a vista e as trevas se fizeram para ela. Pobre criança! Que ore e espere. Todas as curas que obtive, e que conhecem, não atribua senão Àquele que é o Pai de todos nós. Nas vossas aflições, voltai sempre os olhos para o céu, e dizei, do fundo do coração: “Meu Pai, curai-me, mas fazei que a minha alma doente seja curada antes das enfermidades do corpo; que minha carne seja castigada, se necessário, para que a minha alma se eleve para vós com a brancura que possuía quando a criastes . . .”
·         A primeira observação que fazemos  nessa  comunicação  é  que, Vianney  deixa  claro que  as  curas  que realizava só eram possíveis porque Deus permitia. Pois, muitos não conseguem obter a cura, e acabam achando que o curador é um charlatão, etc. Na verdade, é que Deus não permitiu. Porque Ele sabe o que é melhor para nós. O médium curador (santos e santas) é (são) apenas um instrumento de Deus.
·          A segunda observação é que “Não há doença, há doente”, como disse Joanna de  Ângelis. A Terra  é um planeta que ainda abriga Espíritos rebeldes à lei de Deus, ignorantes e maldosos. Portanto, são Espíritos doentes (da alma). Quando curarmos as doenças da alma, ou seja, quando tivermos o coração livre das impurezas, não haverá mais doenças no corpo físico.
·         A terceira observação é em relação a nossas aflições. Quando uma aflição não é consequência dos atos da vida presente, é necessário procurar a sua causa numa vida anterior. Lembrando que a maioria das aflições são causadas na vida presente. Vivemos abusando do nosso livre arbítrio, correndo na contra mão da vida a 200 km por hora, e dizendo que as conseqüências são do passado. Por exemplo: Um dia, um pai chegou a Chico Xavier e disse que o filho havia morrido num acidente de carro, e que ele queria saber se era um "carma" que o rapaz tinha que passar. Chico respondeu que era falta de "calma” nessa vida, o rapaz corria demais com o carro, foi imprudência. 
·         A quarta observação é sobre pessoas que procuram nos Centros Espíritas o dia de “consulta”. Essas pessoas, geralmente, querem dos Espíritos um milagre, como fez a cega que buscou a médium para evocar Vianney. Elas não buscam “consultar” os livros da Codificação que explicarão o porquê das dores e aflições, ou então, “consultar” os Espíritos de Emmanuel, Joanna de Ângelis, André Luiz, Bezerra de Menezes, etc.,  através dos livros espíritas, que são orientações baseados no receituário divino que é o Evangelho, trazido pelo médico de  nossa alma, que é JESUS.  Somente seguindo esse receituário divino curaremos as chagas de nossa alma, para não sofrermos dores e aflições no futuro. O remédio desse receituário, ás vezes, é amargo. Por isso muitos fogem, querendo um “milagre” que não precise fazer o sacrifício de engolir o remédio da abstinência dos vícios, dos erros, das falhas morais. As pessoas não querem entender as propostas de Jesus, não querem fazer a reforma íntima, enfim, só querem receber, mas não querem sacrificar, renunciar às coisas que lhe fazem mal.
Como disse Richard Simonetti: "Evidentemente, não é fácil. Cada encarnação é como um filme, mudam os cenários, mas o enredo é sempre o mesmo: começamos a vida como “mocinhos”, dispostos a mudar o mundo e, geralmente, terminamos como “bandidos”, comprometidos por vícios e mazelas (fraquezas)."
Como diz André Luiz: “contra a pálida réstia de luz do presente, simbolizada pelo desejo de melhorar, há montanhas de trevas do passado.”



Rudymara  -   (grupoallankardec.blogspot.com)



Observação: Quer receber apostilas com textos do blog do Grupo de Estudo Allan Kardec? Escreva para grupoallankardec@gmail.com , mandaremos por e-mail 23 apostilas e o resumo do livro "E A VIDA CONTINUA ..."





segunda-feira, 15 de outubro de 2012

ALEGRE-SE COM SUAS CONQUISTAS - José Carlos de Lucca



Não deixe de comemorar as suas vitórias, mesmo as mais pequeninas. A vida não é só feita de lutas, mas também da celebração das nossas conquistas. O prazer da vitória nos estimula a novos empreendimentos.
O atleta se esforça sonhando com a medalha olímpica. O artista burila seus talentos em busca da consagração pública. O professor se esmera para que os alunos adquiram novos conhecimentos. Todos, de alguma forma, esperam o resultado de seus esforços. Deixar de reconhecer nossas conquistas pode causar a sensação de que nadamos muito e acabamos morrendo na praia.
A pessoa feliz não olha tanto para as suas derrotas, como nas suas vitórias, pois assim jamais esquecerá que, apesar das suas limitações tão naturais, tem talento suficiente para corrigir, recomeçar e brilhar cada vez mais.
Cada vez que a sensação de fracasso visitá-lo, recorde-se, logo, de que você é um espírito em aprendizado e que, mesmo não sabendo tudo, já foi capaz de superar outras adversidades e de alcançar muitas outras vitórias significativas.
Dê importância às pequenas conquistas diárias, celebre-as, contente-se, pois saiba que elas o conduzirão aos grandes feitos. Toda grande caminhada é feita de pequeninos passos.
Sempre que possível, dê-se um presente para marcar positivamente suas realizações. Não importa o valor do objeto, mas o significado amoroso do gesto. Se você é capaz de dar muitos presentes à pessoa que ama, por que não pode fazer isso por você também?
Essa singela atitude será um poderoso sinal para o universo de que você é uma pessoa que tem muito valor.
E a prosperidade, material e espiritual, está à procura de pessoas valorosas.


Da obra: "Força Espiritual".






domingo, 14 de outubro de 2012

CHUVA É BÊNÇÃO DE DEUS



Além de suavizar o clima, fertilizar o solo e propiciar condições de vida para os vegetais e animais, incluindo o homem, a chuva tem outro caráter. Caindo do céu como benção divina, a chuva, tanto quanto as descargas elétricas, ajuda limpar a psicosfera do planeta, levando na enxurrada os miasmas acumulados por energias deletérias, provindas de pensamentos e atos nefasto. Tais pensamentos deixados no ar adquirem forma e eis porque vírus e bactérias nos assaltam vez por outras. Deus não erra nunca!






segunda-feira, 8 de outubro de 2012

CURA REAL - José Carlos de Lucca



Não trate apenas dos sintomas, tentando eliminá-los sem que a causa da enfermidade seja também extinta.
A cura real somente acontece do interior para o exterior .....
Sim, diga a seu médico que você tem dor no peito, mas diga também que sua dor é dor de tristeza, é dor de angústia.
Conte a seu médico que você tem azia, mas descubra o motivo pelo qual você, com seu gênio,
Aumenta a produção de ácidos no estômago.
Relate que você tem diabetes.
No entanto, não se esqueça de dizer também que não está encontrando mais doçura em sua vida e que está muito difícil suportar o peso de suas frustrações.
Mencione que você sofre de enxaqueca, todavia confesse que padece com seu perfeccionismo, com a autocrítica, que é muito sensível à crítica alheia e demasiadamente ansioso.
Muitos querem se curar, mas poucos estão dispostos a neutralizar em si o ácido da calúnia, o veneno da inveja, o bacilo do pessimismo e o câncer do egoísmo.
Não querem mudar de vida ...
Procuram a cura de um câncer, mas se recusam a abrir mão de uma simples mágoa.
Pretendem a desobstrução das artérias coronárias, mas querem continuar com o peito fechado pelo rancor e pela agressividade.
Almejam a cura de problemas oculares, todavia não retiram dos olhos a venda do criticismo e da maledicência.
Pedem a solução para a depressão, entretanto, não abrem mão do orgulho ferido e do forte sentimento de decepção em relação a perdas experimentadas..
Suplicam auxílio para os problemas de tireóide, mas não cuidam de suas frustrações e ressentimentos, não levantam a voz para expressarem suas legítimas necessidades.
Imploram a cura de um nódulo de mama, todavia, insistem em manter bloqueada a ternura e a afetividade por conta das feridas emocionais do passado.
Clamam pela intercessão divina, porém permanecem surdos aos gritos de socorro que partem de pessoas muito próximas de si mesmos.
Deus nos fala através de mil modos; a enfermidade é um deles e por certo, o principal recado que lhe chega da sabedoria divina é que está faltando mais amor e harmonia em sua vida.
Toda cura é sempre uma auto cura e o Evangelho de Jesus é a farmácia onde encontraremos os remédios que nos curam por dentro.
Há dois mil anos esses remédios estão à nossa disposição.
Quando nos decidiremos?


Livro - O Médico Jesus