quinta-feira, 10 de agosto de 2017

ANDRE  TRIGUEIRO:

HÁ ALGO NOVO NO AR

É possivel que o leitor não temha ainda se dado conta, mas pela primeira vez na história da humanidade o debate sobre suicidio está acontecendo de forma aberta, clara sem tabus ou preconceitos. Salvo os os nichos de resistência dogmática de sempre- onde  a luz da ciência e o amparo da razão não têm lugar- ou certas culturas do passado que normatizavam o autoextermínio, esta seria  realmente a primeira vez em que  o tabu em torno do assunto não resistiu á urgência de se entender o que leva alguém a se matar. É evidente que a série mais popular da história da Netflix um dos maiores serviços de streaming do mundo- contribuiu para isso. Os produtores e realizadores de Os 13 porquês(13 reasons why) sabiam  exatamente no que estavam se metendo. Lançaram uma série onde o suicídio  de uma jovem seria o ponto de partida para uma história marcada pelo desejo de vingança, onde todos os supostos algozes da vítima foram denunciados em gravações feitas  pela própria suicídia. Tudo isso numa escola que reproduz o ambiente competitivo das instituições escolares americanas(especialmente no High School) onde o massacre dos bullyngs, a execração pública nas redes  sociais  pelo cyberbullying, o assédio, a violência sexual, entre outros problemas que asfixiam  a garotada em boa parte do mundo, são mostrados didaticamente. Ponto para a Netflix por escolher  o tema do suicídio entre jovens para uma nova série. Só faltou evitar os chamados “gatilhos” cenas que podem agravar  o desequilibrio de pessoas fragilizadas psíquica ou emocionalmente- amplamente diagnosticados e registrados em numerosos estudos respaldados pela OMS- (OrganizaçãoMundial de Saúde). Em bom português, “gatilhos”  podem precipitar tentativas de suicídio e eventuais óbitos. A cena do suicídio da personagem principal foi apelativa e escatológica. Poucas vezes se viu algo parecido na TV ou no cinema. Num primeiro momento, os responsáveis  pela série justificaram a exibição de cenas fortes como essa para chocar intencionalmente o público e mostrar  como o suicídio é doloroso e dramático. Semanas depois, pressionados por especialistas  em saúde  pública mundo afora, os produtores anunciaram a inserção de alertas e advertências em episódios que estavam sem esses avisos. Será o suficiente? Quantos de nós deixaríamos de continuar assistindo a uma série por causa de uma tarja informando que o episódio contém cenas chocantes e violentas?  Em países como Nova Zelândia, as autoridades de saúde chegaram a orientar país ou responsáveis a assistirem  á série da Nerflix ao lado dos filhos ou responsáveis. O fato é que toda essa repercussão levou a Nerflix a anunciar a continuação da série. Haverá novos gatilhos? O tempo dirá. Nas primeiras semanas de exibição de os 13 porquês, o volume de atendimentos do CVV cresceu 450%. Resta saber se isso aconteceu porque a Nerflix abriu espaço para divulgar o serviço voluntário e filantrópico prestado há 55 anos pelo Centro de Valorização da Vida, ou se a série e seus gatilhos fragilizaram parte de audiência.
(Andre Trigueiro é reporter da TV Globo editor chefe do programa Cidades e Soluções Globonews e comentarista  da Rádio CBN) 

terça-feira, 8 de agosto de 2017


ANDRE LUIZ NÃO ESCREVE PARA CURIOSOS    
Sem a menor duvida o Espirito Andre Luiz deixou para a humanidade um legado riquissimo de informações com respeito a vida  pós morte. Depois  das orientações chegadas através  da Codificação por volta de 1857 e que o homem até hoje não conseguiu desvendar por comodismo ou por ignorância, aparece o Espirito que se identifica como Andre Luiz, para dar sequência ao trabalho realizado pelo missionário  que também preferiu o anonimato, se apresentando como Allan Kardec. Embora a humanidade pelo menos uma boa parte dela, ignore esse tesouro conhecido como “O Livro dos Espiritos” e as demais obras que compoem a Codificação, vem Andre Luiz para dar sequência ao trabalho iniciado na França, mesmo o homem ainda   não estando interessado pelo o que pode acontecer com a inevitavel chegada da morte.  Para uns, a chegada da morte, representa o descanço eterno, para outros, o encontro com o “Céu onde ficarão para sempre sem nenhum problema ao lado dos “anjos” tocando arpa!   As religiões  sem o menor interesse, nenhum dia parou para questionar certas verdades para orientar e por que não, educar os seus adeptos. Sempre ofereceram o paraiso sem esforço, como se Deus não trabalhasse incessantemente. Nos nossos dias quando se fala imortalidade, a maioria das pessoas se assusta! Mas vamos deixar tudo isso de lado e vamos para o assunto que  nos levou a afirmar que Andre Luiz não escreve para curiosos. O livro “Nosso Lar’ o primeiro da serie em que Andre  narra o que se passou com ele depois da morte do corpo, é tão chocante principalmente para quem  não tem estrutura espiritual.  Alguns preferem entende-lo como uma estória, enquanto outros passaram a fazer perguntas a respeito dos famosos que já desencarnaram, desejando saber como eles se encontram. Não só o livro “Nosso Lar” mas toda a coleção psicografada pelo querido Chico, o médium de Jesus, é luz, convidando o homem para conhecimentos que poderão ajudá-lo quando do seu retorno a vida verdadeira a vida do Espirito.  Atentemos bem para o prefácio do livro   “Nosso Lar” prefaciado por Emmanuel. É claro que não vamos apresentá-lo na integra, mas pelos menos o inicio para que todos possam sentir a grandeza do trabalho de Andre Luiz. Diz Emmanuel: Os prefácios, em geral, apresentam autores exaltando-lhes o mérito e comentando-lhes a personalidade. Aqui porém, a situação é diferente. Embalde os companheiros encarnados procurariam o médico Andre Luiz nos catálogos da convenção. Por vezes, o anonimato  é filho do legítimo entendimento e do verdadeiro amor. Para redimirmos o passado escabroso, modificam se tabelas da nomenclatura usual na reencarnação. Funciona o esquecimento temporário como bênção da Divina Misericórdia. Andre, precisou, igualmente, cerrar  a cortina sobre si mesmo. É por isso que não podemos apresentar o médico terrestre e autor]  humano,mas sim novo  amigo e irmão na eternidade. E por ai vai Emmanuel,  apresentando o livro “Nosso Lar.”  Andre Luiz, na mensagem maravilhosa que envia para todos nas primeiras páginas do seu primeiro livro “Nosso Lar”, tem a oportunidade de nos chamar a atenção para os momentos que estamos no corpo atraves de uma outra abençoada encarnação, naturalmente  para nos auxiliar, se não vejamos;  Uma existência é um ato.  Um corpo uma veste- Um século um dia- Um serviço uma experiência- Um triunfo uma aquisição- Uma morte um sopro renovador- Será que estamos entendendo o que estamos lendo? O que quer dizer uma existência é um ato? Um corpo uma veste, Um século um dia. Um serviço uma experiência, Um triunfo uma aquisição, Uma morte um sopro renovador. Paremos e verifiquemos como anda o nosso entendimento”materialista.” Quantas existências, quantos corpos, quanto séculos quantos serviços quantos triunfos, quantas mortes necessitamos ainda? E o letrado em filosofia religiosa fala de deliberações  finais e posições definitivas! Aí por toda parte, os cultos em doutrina e os analfabetos do espirito! E preciso muito esforço do  homem para ingressar na academia do Evangelho do Cristo. Este é Andre Luiz, que não escreve  para curiosos,que buscam no seu primeiro trabalho o primeiro livro da serie,informações como: Onde encontra-se o meu marido? Onde está o meu idolo que partiu tão cedo? E aquele meu ex. que morreu num desastre? Etc. Conforme afirmamos, Andre Luiz não escreve para curiosos, seu trabalho é para ser estudado,  por todos aqueles que desejam avançar para Deus. Comecemos a estudar a Codificação, principalmente “ O Livro dos Espiritos”, para depois sim, buscarmos as obras de Andre Luiz, com possibilidade de entende-las e darmos com isso sequência a Codificação. Para finalizar, gostariamos de lembrá-los que não fiquem somente no “Nosso Lar” sigam em frente  para encontrar orientações das mais elevadas  principalmente folheando o livro “MECANISMOS DA MEDIUNIDADE” onde teremos que recorrer a fisica para compreender os seus ensinamentos.  Um outro livro extraordinário da coleção “EVOLUÇÃO EM DOIS MUNDOS” que nos convida a mergulharmos na biologia para aprendermos muita coisa, onde vamos ficar sabendo  como surgimos na Terra etc. Considerando as informações contidas nos 16 livros da serie, e principalmente os dois citados, acreditamos que o homem levará 350 anos para compreender os seus ensinamentos. É por isso que não devemos perder tempo com curiosidades somente, que não levam a nada.  Andre, escreveu para pessoas interessadas em evoluir e crescer para Deus e que não sejam surpreendidas com a chegada da morte do corpo.  

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

3 MINUTOS COM AUGUSTO CURY
A PSICOLOGIA E AS CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

Se os cursos de psicologia introduzissem um estudo sério e aprofundado da personalidade de Jesus, os novos psicólogos teriam uma grande ferramenta para compreender os transtornos emocionais e mecanismos para treinar a emoção dos pacientes e torná-la saudavel. Como mestre da escola da vida, Jesus conseguia abrir as janelas da mente e contemplar o belo em momentos que corria  o risco de ser controlado pela ansiedade,  ter a inteligência travada e reagir por instinto. A psicologia ainda é uma frágil ciência no processo de investigação do funcionamento da mente. Ela precisa descobrir Jesus Cristo. As  ciências da educação também precisam  descobri-lo. A  psicopedagogia de Cristo não encontra  precedente. Como contador de   histórias, tinha um jeito de falar cativante que encantava as pessoas. O tom de voz, o modo de olhar, a economia de energia no discurso, a autoridade nas palavras, a exposição em forma de  diálogo, a versatilidade e a criatividade que ele usava na comunicação interpessoal faziam de sua pedagogia uma verdadeira arte de ensinar. Se as faculdades adotassem a psicopedagogia do Mestre dos Mestres, os novos professores revolucionariam o precario sistema educacional das sociedades modernas. Sinto me limitado para descrever a grandeza e os mistérios que cercam a mente de Jesus Cristo. A partir de cada frase que proferiu poderiamos escrever um livro. De cada silêncio, uma poesia. De cada controle da emoção, um principio de vida. Sinceramente, os recursos linguísticos para descrevê-lo são restritos.








quarta-feira, 9 de setembro de 2015

A FÉ CURA?


No capítulo 14 Os fluidos - item 31 - Curas - do livro A Gênese, Allan Kardec explica que: “A cura se opera pela substituição de uma molécula malsã por uma sã.”
Podemos classificar as curas em: curas materiais e curas espirituais. As curas materiais são proporcionadas pela Medicina, pelos remédios: As espirituais são as que se realizam com a participação dos médiuns. Neste ponto, o tratamento espiritual não dispensa o tratamento médico e vice-versa.
E quanto às curas de Jesus? No capítulo 15 de livro a Gênese, o Codificador do Espiritismo observa: Nas curas que operava, Jesus agia como médium? Não. Pois o médium é um intermediário um instrumento do qual se servem os espíritos desencarnados. Ora, o Cristo não tinha necessidade de assistência, ele que assistia e auxiliava os demais; agia, pois, por si mesmo, em vista de seu poder pessoal, tal como o pode fazer os encarnados em certos casos, e na medida de suas forças. Aliás, qual seria o Espírito que se ousaria insuflar-lhe seus próprios pensamentos e encarregá-lo de os transmitir? Se ele recebesse um influxo estranho, não poderia ser senão de Deus; pois ele era o médium de Deus.
O tempo para a obtenção da cura pode variar dependendo de cada caso. Temos que considerar que cada um de nós está submetido à Lei de Causa e Efeito, por isso, não obtemos a cura de todos os nossos males, nesta vida. Jesus não curou a todos.
No Evangelho segundo o Espiritismo há uma mensagem de um Espírito Protetor que nos orienta: “A fé é humana e divina, conforme o homem aplica suas faculdades à satisfação das necessidades terrenas, ou de suas aspirações celestiais e futuras. O homem de gênio, que se lança à realização de algum empreendimento, triunfa se tem fé, porque sente em si que pode e há de chegar ao fim colimado, certeza que lhe faculta imensa força. O homem de bem que, crente em seu futuro celeste, deseja encher de belas e nobres ações de sua existência, haure na sua fé, na certeza da felicidade que o espera, a força necessária, e ainda aí se operam milagres de caridade, de devotamento e de abnegação. Enfim, com a fé não há maus pendores que não se chegue a vencer.”
O Magnetismo é uma das maiores provas do poder da fé posta em ação. É pela fé que ele cura e produz esses fenômenos singulares, qualificados outrora de milagres.
O Espiritismo que restaura, atualmente, o primitivo Cristianismo vem orientando e ajudando nas curas espirituais pela desobsessão espiritual. O passe magnético. A água fluidificada. A reforma íntima sem esquecer da Caridade nas curas pela Terapia do Perdão. Façamos, pois... Fontes: A Gênese. ESE.

João Cabral 



sexta-feira, 28 de agosto de 2015

O QUE PARECE UM MAL PODE SER UM BEM


Conta-se que um grande trabalhador espírita desencarnou muito jovem. Sua esposa ficou revoltada, pois questionava a justiça divina. Dizia ela que com tanta gente má no mundo, por que Deus levou seu marido que era tão bom e fazia tanta caridade? Numa comunicação mediúnica os espíritos mandaram um recado a ela dizendo que: “estava programado, antes deles nascer, que o rapaz sofreria um derrame cerebral e ficaria 10 anos na cama sob os cuidados dela. Mas, como ele fez muita caridade, esta caridade quitou seus débitos. O amor que ele praticou cobriu uma multidão de débitos." 
Então, como diz Meimei: "AS VEZES, O MAL NA VIDA É O BEM MAL INTERPRETADO."

Rudymara




IRRITAÇÃO PODE CAUSAR DOENÇA



No livro "Nos Domínios da Mediunidade", André Luiz nos mostra uma senhora que chega ao Centro Espírita com o ventre volumoso e semblante dolorido a procura do passe como ajuda. O Espírito Conrado explica para André Luiz e outros Espíritos que ali estavam analisando o caso que: A mulher estava com icterícia complicada, seu fígado estava comprometido, e que nasceu de terrível acesso de cólera, em que ela se envolveu no reduto doméstico. Ela sentiu extrema irritação, e adquiriu hepatite, da qual a icterícia é a consequência.
Como vemos, muitas doenças não são de outra encarnação, mas de nossos desequilíbrios emocionais e outros abusos da saúde nesta atual encarnação. 
Então, como diz o Espírito Scheilla: "SAÚDE NO CORPO MUITAS VEZES COMEÇA NO PENSAMENTO SADIO...."


Rudymara




O SOFRIMENTO É INJUSTO?



UMA AMIGA NOS ESCREVEU CONTANDO QUE SUA MÃE DESENCARNOU COM CÂNCER. ELA ACHA QUE FOI INJUSTO O SOFRIMENTO DA MÃE PORQUE, DIZ ELA, QUE A MÃE ERA MUITO BOA.


Geralmente vemos nosso ente querido como o melhor do mundo, sem defeito algum e quando ele parte, achamos que foi antes do tempo ou que ele não merecia sofrer. Não é bem assim. Todos temos defeitos e todos nós falhamos em nossas atitudes, seja nesta ou em outra vida. Estamos numa escola que se chama Planeta Terra. Nela estamos aprendendo, aos poucos, como agir. Numa encarnação apenas não nos tornamos seres angelicais. A avaliação aos olhos dos encarnados é diferente da dos olhos da Justiça Divina. Como está no O livros dos Espíritos, questão 642: “Não basta que o homem não pratique o mal; cumpre-lhe fazer o bem no limite de suas forças, porquanto responderá por todo mal que haja resultado de não haver praticado o bem.”
Muitos passam pela vida sem fazer nada de útil. Não fazem o mal que conhecemos como: matar, roubar, etc., mas não praticam o bem e a falta da nossa ajuda a alguém ou a uma instituição de caridade pode ter prejudicado muita gente. O descuido com nossa saúde física e emocional também pode causar doenças. Há muito abuso das drogas lícitas e ilícitas, da alimentação, dos sentimentos negativos. O câncer, por exemplo, pode aparecer por causa de algo que fizemos em outra vida ou então nesta, é o caso, por exemplo, do cigarro, mas pode também ser causado por nosso desequilíbrio emocional.
OBSERVEMOS ESTES EXEMPLOS:
 * André Luiz conta no livro Missionários da Luz que, um Espírito ao preparava-se para reencarnar, pediu para seu novo corpo físico uma úlcera que apareceria em sua madureza física e que não deveria encontrar cura até sua desencarnação, para que ele pudesse ressarcir um assassinato que cometeu ao esfaquear um homem (que estava na sua madureza física) na região do estômago. Como vemos, mesmo que este Espírito cuide de sua saúde durante toda sua juventude, não fugirá da úlcera (câncer) “moral” que “ele pediu”.

* No livro "Nos Domínios da Mediunidade", André Luiz nos mostra uma senhora que chega ao Centro Espírita com o ventre volumoso e semblante dolorido a procura do passe como ajuda. O Espírito Conrado explica para André Luiz e outros Espíritos que ali estavam analisando o caso que: A mulher estava com icterícia complicada, seu fígado estava comprometido, e que nasceu de terrível acesso de cólera, em que ela se envolveu no reduto doméstico. Ela sentiu extrema irritação, e adquiriu hepatite, da qual a icterícia é a conseqüência.

* Conta-se que um grande trabalhador espírita desencarnou muito jovem. Sua esposa ficou revoltada, pois questionava a justiça divina. Dizia ela que com tanta gente má no mundo, por que Deus levou seu marido que era tão bom e fazia tanta caridade? Numa comunicação mediúnica os espíritos mandaram um recado a ela dizendo que: “estava programado, antes deles nascer, que o rapaz sofreria um derrame cerebral e ficaria 10 anos na cama sob os cuidados dela. Mas, como ele fez muita caridade, esta caridade quitou seus débitos. O amor que ele praticou cobriu uma multidão de débitos." As vezes, o que nos parece um mal é um bem.

* Richard Simonetti conta que: “Um homem de 45 anos, morreu durante o sono. E a viúva, inconsolável, recebe condolências . . . Muitos repetem as clássicas palavras: ‘Chegou sua hora . . . Deus o levou! . . .’ Piedosa mentira! Aquele homem foi um suicida! “Aniquilou-se, lentamente, fazendo uso desse terrível corrosivo que se chama IRRITAÇÃO.”

* Vejamos o caso de crianças que nascem com câncer. Como pode? Parece injustiça, não é? Mas,crianças são espíritos velhos em corpos novos. Eles chegam resgatando débito do passado reencarnatório. Afinal, moramos num planeta de provas e expiações onde reúne espíritos que precisam realizar aprendizado em prol de seu progresso e para acertar contas com a consciência, com as leis divinas.
Mas nem todo sofrimento é expiação, ou seja, ás vezes a pessoa sofre mas não está resgatando débito, está realizando uma prova. São raros, mas existe. Um Espírito pode ter conquistado um certo grau de elevação, mas querendo avançar mais, solicita uma missão, uma tarefa, pela qual será tanto mais recompensado, se sair vitorioso quanto mais penosa tiver sido a sua luta. Esses são, mais especialmente, os casos das pessoas de tendência naturalmente boas, de alma elevada, de sentimentos nobres inatos, que parecem nada trazer de mal de sua precedente existência, e que sofrem com resignação cristã as maiores dores, pedindo forças a Deus para suportá-las sem reclamar. É o caso de Alcione, personagem principal do livro Renúncia, escrito por Emmanuel. A história é de um espírito angelical que não tinha obrigação de voltar à Terra, mas voltou por vontade própria, para ajudar alguns tutelados (protegidos) seus. Ela trabalhava como governanta em rica mansão. O dono da casa (Cirilo), a filha (Beatriz) e o sogro (Jacques) gostavam muito dela, mas a patroa (Susana), a detestava, porque sentia ciúme do amor que a família sentia por Alcíone. A patroa a maltratava impondo tarefas rudes, que não era sua obrigação, para que ela fosse embora, já que não podia tomar a iniciativa de despedi-la, com o que seus familiares não concordariam. Com o tempo, o comportamento da serva acaba por sensibilizar Susana, que se torna sua amiga.
Então, como vemos, ninguém sofre por acaso. A lei divina é justa e perfeita. Por detrás de uma história que conhecemos há outra que só Deus conhece. Tenhamos fé na Sua justiça, bondade e perfeição!
 

Rudymara